logo-min-_2_

RELATÓRIO DE PESQUISA – AGROEFETIVA

RELATÓRIO DE PESQUISA – AGROEFETIVA

Caracterização físico-química, avaliação do espectro de gotas e índice de deriva em túnel de vento de caldas contendo adjuvantes de uso agrícola.

Dr. Alisson Augusto Barbieri Mota1
Dr. Rodolfo Glauber Chechetto1
Dr. Fernando Kassis Carvalho1

1 Engenheiros Agrônomos, Pesquisadores da AgroEfetiva, Botucatu/SP – Brasil
Botucatu/SP
2021

1. OBJETIVO

O objetivo do presente trabalho foi realizar pesquisas laboratoriais para a validação do desempenho de adjuvantes quanto as características físico-químicas, espectro de gotas e potencial de deriva em túnel de vento.

2. METODOLOGIA

2.1. Características físico-químicas da calda

2.1.1. Análise do potencial hidrogeniônico (pH)

2.1.2. Análise de tensão superficial

2.1.3. Análise de viscosidade

2.1.4. Análise de densidade

2.1.5. Análise de estabilidade de caldas

2.1.6. Análise de compatibilidade da calda

2.2. Análise de espectro de gotas

2.3. Avaliação do índice de deriva em túnel de vento (ID)

2.4. Tratamentos e análise estatística

Tabela 1. Descrição dos tratamentos.

TratamentoProdutoDoseUnidade
T1Ares 4.00,05L ha-1*
T2Ophion 4.00,05L ha-1*
T3 (testemunha)TA 350,05% v v-1

*Taxa de aplicação de 100 L ha-1.

3. RESULTADOS

3.1. Potencial hidrogeniônico (pH)

Os resultados de pH avaliados ao longo do período de 180 minutos após o preparo da calda estão apresentados na Figura 1. Todos os tratamentos avaliados resultaram em estabilidade de pH ao logo do período de 180 min, com variações do pH de no máximo 0,1. O menor resultado foi para o adjuvante Ophion 4.0, com pH médio de 5,9, seguido do Ares 4.0 e o TA 35, com valores médios de 6,2 e 7,5, respectivamente.

Figura 1. Resultados de pH avaliado ao longo de um período de 180 minutos após o preparo da calda.

3.2 Tensão superficial

Os resultados de tensão superficial (TS) estão apresentados na Figura 2.
Todos os tratamentos apresentaram diferenças significativas, em que o menor resultado foi para o adjuvante TA 35, seguido do Ophion 4.0 e do Ares 4.0.

Figura 2. Resultados de tensão superficial (TS). As barras de erros sobre as médias representam o Intervalo de Confiança ao nível de 95% de probabilidade (IC95%).

3.3. Viscosidade

Conforme apresentado na Figura 3, é possível constatar que o maior resultado de viscosidade foi para o adjuvante Ares 4.0, seguido do adjuvante Ophion 4.0 e do T* **, todos diferindo significativamente entre si.

Figura 3. Resultados de viscosidade. As barras de erros sobre as médias representam o Intervalo de Confiança ao nível de 95% de probabilidade (IC95%).

3.4. Densidade

Os resultados de densidade estão apresentados na Figura 4. Todas as caldas apresentaram densidade de 1,00 g cm-3.

Figura 4. Resultados de densidade. As barras de erros sobre as médias representam o Intervalo de Confiança ao nível de 95% de probabilidade (IC95%).

3.5. Estabilidade de caldas

Para os resultados de espuma foi identificado a formação somente para o adjuvante TA 35, com valor de 8,6 % v v-1 logo após o preparo da calda, que foi reduzindo gradualmente até não ser identificado no tempo
de 60 min após o preparo da calda (Figura 5).

Tabela 2. Resultados de volume decantado visível avaliado ao longo de um período de 60 minutos após o preparo da calda.

Trat.ProdutosDecantação (% v v-1)
10 min20 min30 min40 min50 min60 min
1Ares 4.00,00,00,00,00,00,0
2Ophion 4.00,00,00,00,00,00,0
3TA 350,00,00,00,00,00,0

Tabela 3. Resultados de volume de sobrenatante visível avaliado ao longo de um período de 60 minutos após o preparo da calda.

Trat.ProdutosSobrenadante (% v v-1)
10 min20 min30 min40 min50 min60 min
1Ares 4.00,00,00,00,00,00,0
2Ophion 4.00,00,00,00,00,00,0
3TA 350,00,00,00,00,00,0

Figura 5. Resultados de volume de espuma avaliado ao longo de um período de 60 minutos após o preparo da calda.

Figura 7. Resultados de diâmetro mediano volumétrico (DMV), percentual do volume amostrado em gotas menores que 100 μm (V100) e amplitude relativa (AR), para as caldas contendo adjuvantes pulverizadas com a ponta XR 11003 a 200 kPa. As barras de erros sobre as médias representam o Intervalo de Confiança ao nível de 95% de probabilidade (IC95%).

3.8. Índice de deriva em túnel de vento

Para os resultados de índice de deriva (ID) (Figura 8), constatou-se que os adjuvantes Ares 4.0 e Ophion 4.0 apresentaram as menores médias, sem diferenças significativas entre si, mas diferindo do TA 35 que teve o maior ID. Os resultados de ID indicam o potencial de redução de deriva na comparação de diferentes técnicas de aplicação. Portanto, ambos os adjuvantes Ares 4.0 e Ophion 4.0 foi constatado um maior potencial da redução do risco de deriva, comparado ao adjuvante TA 35.

Figura 8. Resultados de índice de deriva (ID), para as caldas contendo adjuvantes pulverizadas com a ponta XR 11003 a 200 kPa. As barras de erros sobre as médias representam o Intervalo de Confiança ao nível de 95% de probabilidade (IC95%).

4. RESUMO DOS RESULTADOS

Com exceção dos resultados de pH e densidade, para cada variável avaliada, os tratamentos foram ordenados na tabela de acordo com a característica desejável, ficando em primeiro na tabela os tratamentos que tiveram os melhores resultados, seguindo os seguintes critérios:

  • Tensão superficial (TS): Menores valores de tensão superficial são desejáveis devido ao aumento no espalhamento das gotas ao atingir uma superfície;
  • Viscosidade: Maiores valores de viscosidade, resultam em aumento do tamanho de gotas, o que é favorável do ponto de vista de redução do potencial de deriva;
  • Diâmetro mediano volumétrico (DMV): Quanto maior o DMV menor o potencial de deriva, sendo favorável do ponto de vista de boas práticas;
  • Percentual do volume de gotas com diâmetro menor que 100 μm (V100): A redução do V100 resulta em redução no potencial de deriva, sendo
    favorável do ponto de vista de boas práticas agrícolas;
  • Amplitude relativa (AR): Quanto menor a AR mais uniforme são os diâmetros de gotas pulverizado, portanto, sendo uma característica desejável;
  • Índice de deriva (I. D.): Menores valores de ID, resultam em menor potencial de deriva das aplicações, o que é uma característica desejável do ponto de vista de boas práticas agrícolas.

Para esta pesquisa, em que o objetivo foi explorar as características funcionais dos adjuvantes, com exceção das avaliações de compatibilidade, não
foram realizadas misturas em tanque, para não acrescentar variáveis que pudessem comprometer o entendimento das funcionalidades de cada adjuvante. Para a comparação dos resultados, tomou-se como testemunha o tratamento contendo o adjuvante TA 35.

Apenas para as avaliações de compatibilidade, foram feitas misturas em tanque com defensivos agrícolas, com o objetivo de constatar a capacidade de compatibilização do adjuvante em misturas com defensivos.

5. CONCLUSÕES

A. Potencial Hidrogeniônico (pH)
Todos os adjuvantes tiveram o pH estável ao longo do período de 180 minutos. Os adjuvantes Ophion 4.0 e Ares 4.0 tiveram pH ácido, enquanto o TA 35 obteve um pH básico.

B. Tensão Superficial (TS)
Menores resultados de TS, em geral, proporcionam um maior espalhamento das gotas consequentemente aumentando a cobertura sobre os alvos. Nesse sentido, o TA 35 teve o melhor resultado, seguido do adjuvante Ophion 4.0 e Ares 4.0.

C. Viscosidade
A viscosidade da calda pode interferir no tamanho das gotas pulverizadas, em que quanto maior a viscosidade a tendência é que seja maior os diâmetros das gotas. Entretanto, a viscosidade não é o único fator que define o tamanho das gotas, devendo ser estudado em conjunto com as outras características físicas e químicas da calda. Nesse sentido, o Ares 4.0 apresentou a maior viscosidade, seguido do Ophion 4.0 e o TA 35 com o menor resultado.

D. Densidade
Nenhum produto avaliado alterou a densidade das caldas.

E. Estabilidade de caldas
Nenhum adjuvante apresentou formação de decantação, grumos, sobrenadante ou separação em fases. Apenas o adjuvante TA 35 apresentou formação de espuma, que pode ser um fator de complicação no preparo de caldas, devido aos possíveis transbordamentos resultando em vazamento e facilitando a contaminação dos trabalhadores envolvidos.

F. Compatibilidade da calda
Todos os adjuvantes avaliados apresentaram compatibilidade em mistura com o fungicida Unizeb Gold WG na dose de 2,0 L ha-1.

G. Diâmetro mediano volumétrico (DMV)
O melhor resultado do ponto de vista de redução de deriva, portanto com maior DMV, foi para o adjuvante Ares 4.0, seguido do Ophion 4.0 e do TA 35.

H. Porcentagem do volume de gotas com diâmetro menor que 100 μm (V100)
O melhor resultado do ponto de vista de redução de potencial de deriva, que é com menor valor de V100, foi para o Ares 4.0. Novamente o Ophion 4.0 teve resultado intermediário, sendo que o TA 35 apresentou o maior valor de V100, portanto, o maior potencial de deriva.

I. Amplitude relativa (AR)
Os espectros de gotas considerados mais uniformes, portanto, com menor amplitude relativa, foram para os adjuvantes Ares 4.0 e Ophion 4.0.

J. Índice de deriva (ID)
Os melhores resultados são para os adjuvantes que apresentaram menor potencial de deriva, portanto, com os menores ID, em que o Ares 4.0 teve o menor resultado, seguido do Ophion 4.0 e o TA 35.

Botucatu, 17 de março de 2021.
Equipe AgroEfetiva®

Gostou do Contéudo? Compartilhe
Veja Também

Post Relacionados